VOLTAR

Maria Aurora Silva Alves Sá Carvalhal

 

 Sou Espírita!

   

   Quando, no espaço de uma semana, se perde o pai devido a doença prolongada e o filho único de 10 anos, vítima de um acidente de viação, não há espaço para mais nada a não ser o desespero, a descrença, a vontade de não voltar a existir para o mundo.

     No entanto, algumas palavras nos vão sendo ditas pelo marido e por amigos. Essas palavras são de esperança. Dizem-nos que aqueles que deixamos de ver não morrem. que vivem em outra vida.

     Meses depois, foi-me dada a possibilidade de ir ao Núcleo Espírita Rosa dos Ventos, ouvir uma palestra e a partir dessa altura, não mais deixei de frequentar, porquanto é tão grande a paz interior que me assola quando estou presente.

     Agora entendo, não ter sido para mim um castigo o que me aconteceu mas, isso sim, provações que levam a possibilidade de progressão nesta vivência e, neste contexto, agradeço a Deus a possibilidade o fazer. ainda que a custa de algum sofrimento no âmbito da vida terrena.

     Sei que não sou ainda uma espírita, pois que a renovação não se faz de um dia para o outro. Estou isso sim, no caminho que me leva a ter conhecimento dos meus defeitos, tentando aos poucos renovar a minha forma de agir e pensar, consciente de que estou nesta existência a colmatar apenas alguns deles.

     Deus sabe como nos indicar o caminho.